O rosto de um outro

O Rosto de Um Outro
Título: O Rosto de Um Outro
Autor: Kobo Abe
Editora: Cosac & Naify
Dimensões 22,8 x 14,6 x 1,8 cm
Páginas: 288
Ano: 2015

Livro perturbador (e muito maravilhoso) da literatura japonesa de Kobo Abe, O Rosto de Um Outro já recebeu adaptação para o cinema em 1966, que foi chamada de O Rosto da Maldade.

É a história de um cientista que, após ter o rosto desfigurado por um acidente em seu laboratório, constroi uma máscara para si baseada nas feições de outra pessoa. Mas essa máscara👺 não trouxe apenas um novo rosto ao personagem como também criou (ou despertou) uma personalidade, até então, desconhecida 😨.

Certos trechos me lembraram um pouco A Metade Sombria do Stephen King, mas a história de Kobo Abe tenta responder se há algum vínculo entre fisionomia e identidade – afinal, todos nós vestimos diferentes máscaras para enfrentar diferentes situações da vida.

O formato da diagramação dessa edição da Cosac Naify deixa a leitura ainda mais interessante porque o cientista narra sua própria história em primeira pessoa, que está escrita em três cadernos que foram deixados em um local para sua esposa encontrar.

Como somos nós lendo essa história, acabamos sentindo-nos a própria esposa, tirando nossas conclusões sobre o comportamento deste homem e ficando indignados com suas revelações. Em certo momento, há uma ruptura desse discurso e, para acompanhar essa mudança de paradigma, a diagramação e o sentido de leitura do livro também muda, colocando-nos em outro papel.

Interessante perceber, nas reflexões do personagem principal, como é fácil criarmos desculpas para nossos comportamentos, por mais execráveis que eles sejam, enquanto não nos damos conta dos absurdos que praticamos.

Todos os dias, quando saímos de casa, vestimos uma máscara diferente para encarar a sociedade, dependendo de como queremos ser percebidos pelo mundo lá fora. A diferença entre nós e esse personagem, é que temos apenas um rosto para camuflar essas diferentes personalidades que assumimos, enquanto ele pôde confeccionar um rosto específico para transmitir os conceitos de caráter pelos quais ele gostaria de ser percebido.

Um rosto mais redondo é sinal de simpatia? Um nariz adunco transmite sabedoria? A junção dos olhos pode imprimir raiva? Todas essas emoções tornam-se palpáveis e moldáveis durante o processo de confecção da máscara, usando O Rosto de Um Outro.

Posted in: Ler

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *